Como a síndrome do Amor Negativo afeta as suas relações?

Todos nós fomos crianças um dia. Viemos para a vida a partir de uma interação de nossos anfitriões. E, durante a infância vivemos uma relação de dependência destes adultos.
Naturalmente, é necessário aprendermos como ser e agir enquanto seres humanos na forma de sentir, pensar, expressar, comportar, trabalhar, relacionar… Enfim, aprendermos
maneiras de responder aos movimentos da vida.

Ações e reações que nos são ensinadas pelos nossos pais. Aprendemos sobre as expressões emocionais e sobre as reflexões racionais, seus significados e valores para
aqueles que nos recebem neste mundo e nos introduzem ao viver.

Em alguma medida ficamos leais a este aprendizado, e vamos o repetindo continuamente ao longo da vida: repetimos pontos de vista, restrições, formas de amar e de ser, padrões.
Para a Processo Hoffman da Quadrinidade o ponto básico para se manter na repetição é o Amor. A repetição se dá porque é nutrida pelo Amor Negativo. Se trata de uma lealdade aos
nossos anfitriões que, na perspectiva infantil, garante que seremos vistos, acolhidos e amados por estarmos atuando exatamente como nos foi ensinado.

Então, quantos filhos se tornam:

bonzinhos,
úteis,
bons alunos,
perfeccionistas,
submissos,
medrosos,
adultos precoces,
insensíveis,
cuidadores
(...) para garantir um olhar, um Amor - ainda que este seja Negativo.


Ou mesmo:
rebeldes,
hostis,
duros,
autossuficientes,
carentes,
violentos,
insensíveis,
racionais
(...) para evitar serem repreendidos e garantir um mínimo de Amor – que já lhe é natural e,
em teoria, seu por direito.

Como você busca e consegue Amor?

Quais papéis você desempenha ao repetir a forma como os seus anfitriões agiam?

Estes comportamentos aprendidos numa época da vida em que não temos o crivo
necessário para escolher acabam se tornando barreiras de conexão com a nossa própria
criatividade. Cultivar o Amor Negativo é cultivar uma série de atitudes para garantir algo que
é nosso e nos mantém distantes da nossa essência - o Amor em si.

Nesse fluxo, nos afastamos e nos desconectamos de nós mesmos e, por consequência, da
possibilidade de se relacionar com mais leveza e verdade com os outros que nos cercam.
Se curar do Amor Negativo implica em desconstruir o que de prejudicial lhe foi ensinado
para, então, construir a sua forma única de estar no mundo e interagir com ele.