Processo Hoffman da Quadrinidade: 50 anos de vida e 40 anos de história no Brasil

Bob Hoffman, o fundador do Processo Hoffman da Quadrinidade, tinha uma capacidade inata e altamente talentosa de ouvir verdades e sabotagens mais profundas. Fez de sua missão descobrir como ter mais amor no mundo e na vida de cada pessoa, e curar as feridas, que temos em nosso ser como resultado de não nos sentirmos amados incondicionalmente quando crianças.

Bob entendeu que, enquanto estamos crescendo, nós imitamos nossos pais para conquistar seu amor e atenção. Ao copiarmos seus humores, atitudes, crenças, expressões faladas e até mesmo movimentos corporais, aspectos fundamentais de nossa personalidade se formam. O amor conquista todas as neuroses e, para Bob, a neurose fundamental era crescer sentindo-se indigno de amor.

O Processo, inicialmente chamado Processo Fischer-Hoffman – em homenagem ao falecido médico Siegfried Fischer, de quem Bob recebera, segundo ele, instruções para o Processo
– começou sua evolução no escritório de Bob em Oakland, Califórnia, em 1967. Ao começar a ministrar o Processo, pedia aos seus pacientes que escrevessem sistematicamente autobiografias emocionalmente carregadas de suas vidas, do nascimento até a puberdade. Então, ele olhou para os traços emocionais negativos de cada um dos pais biológicos e começou a desenvolver uma compreensão intuitiva da história emocional dos pais da pessoa. Isso ele denominou “Amor Negativo”.

Bob conduziu seus primeiros clientes por intermédio de uma série de (geralmente) 8 a 10 sessões de duas horas. Estas envolviam uma variedade de técnicas e exercícios catárticos projetados para ajudar as pessoas a curarem suas dores e alcançarem um lugar de amor incondicional. Eles aprendiam a usar ferramentas para quebrarem o hábito de comportamentos amorosos negativos e exercícios de autoconsciência.

Ele podia ver que os pais, quando eram filhos, tinham adotado, sem querer, “traços negativos” e eram movidos por sua própria história emocional. Era possível, portanto, vê-los como culpados, mas não culpados. Esses entendimentos profundos levaram à experiência de perdão e compaixão pelos pais. Porque se compreende que os pais também foram crianças que “imitaram” os pais. Bob enfatizou que “todo mundo é culpado e ninguém é

culpado” durante toda a sua vida porque todos somos vítimas do Amor Negativo, passado de geração a geração nas linhagens de cada família até os dias atuais.

Claudio Naranjo, o psiquiatra chileno que associou a psicologia à espiritualidade no trabalho que desenvolveu ao longo de sua vida quis experimentar e conhecer o Processo. Na época, Naranjo tinha ido para Berkeley, na Califórnia e formado o SAT (Seekers After Truth), grupo de trabalho de desenvolvimento humano e psico-espiritual.

Mais do que conhecer e experimentar o Processo, Claudio começou a apresentá-lo formato de encontros com um de seus grupos SAT. Por esta influência, Bob conduziu o primeiro grupo – de 50 alunos – do Processo Hoffman da Quadrinidade em 1972.

Nos 13 anos a seguir o Processo foi ministrado em um formato de 13 semanas em que os alunos assistiam duas vezes por semana e realizavam as tarefas necessárias e as entregavam para os professores para passarem pelas fases do Processo. Este formato foi modificado para 8 semanas mais intensivas em 1984. No ano seguinte foi criada a versão residencial e intensiva do Processo Hoffman da Quadrinidade durante 8 dias e, em 2014, tornou-se uma imersão residencial de 7 dias. Esta é a versão que perdura até os dias de hoje, oferecendo aos alunos o retiro e direcionamento exclusivo ao próprio Processo.

Durante um período de 20 anos e com a ajuda de uma variedade de terapeutas, educadores e médicos, Bob construiu, lentamente, a estrutura do Processo como a conhecemos. Uma estrutura aprimorada e validada para integrar a Quadrinidade daqueles que se propuserem a passar por esta experiência transformadora.

O termo “Quadrinidade” é utilizado para descrever todo o “Eu”, que é composto por quatro aspectos: o intelecto, as emoções, o corpo e o espírito. Os participantes podem realizar a verdadeira cura e integração, envolvendo todos esses aspectos e ajudando-os a trabalhar em harmonia. Uma estrutura de consciência; expressão; compaixão e perdão; e novo comportamento nasceu e até hoje continua a ser a base de todo o ensino do Processo Hoffman em todo o mundo.

A metodologia se estendeu pelos Estados Unidos e para outros países do mundo: Brasil, Alemanha, Suíça, Austrália, Argentina, Canadá, França, Itália, Espanha e Reino Unido etc. Tal expansão, fez com que Bob criasse o Hoffman Institute International (HII) em 1991 para regulamentar e monitorar a segurança, a padronização e as entregas do Processo em todo o mundo.

Atualmente, esta imersão presente em mais de 14 países pode transformar a sua vida também! O Processo Hoffman da Quadrinidade é avalizado pela Universidade Harvard (EUA) e teve os seus resultados comprovados cientificamente pela Universidade da Califórnia (EUA).

O nosso instituto é o mais antigo a ministrar o Processo Hoffman da Quadrinidade no Brasil: completamos, neste ano de 2019, 40 anos de atuação contínua em consonância com o Hoffman Institute International. O nosso Diretor Terapêutico, Jaime Maciel Bertolino, fez o seu Processo Hoffman da Quadrinidade com os professores – e, mais tarde, mestres em sua formação – Suzana Stroke e Alaor Passos, formados por Bob Hoffman que trouxeram o

Processo Hoffman da Quadrinidade em 1979 para Minas Gerais e fundaram o nosso instituto.

Depois de fazer o próprio Processo, Jaime se sentiu inteiro, com o coração em paz, grato pelos pais que teve, podendo crescer e escolher os próprios caminhos, em plena aceitação da própria humanidade, absolutamente surpreso e encantado com a vida.

Na época, Jaime era professor de educação física e tinha uma grande sintonia com os seus alunos: as crianças. Mas o modelo educacional tinha muitas restrições e fronteiras burocráticas que muitas vezes impediam e tornavam lentos os processos educacionais. Ao viver a experiência do Processo Fischer-Hoffman, ele se deparou com um espaço possível, saudável e efetivo para que a criança pudesse comunicar sua história, suas dores e verdadeiramente ser ouvida, ter uma direção e um balizamento para sair dos embaraços emocionais.

A começar por sua própria criança interior: Jaime se deparara com um fórum adequado que possibilita uma Educação Humana, Emocional e Amorosa. Uma Educação de Vida para todo e qualquer Ser Humano. Uma educação humanizadora. Neste momento, Jaime percebeu que era este o formato onde se sentia inteiro, útil, verdadeiro e poderia efetivamente contribuir para uma transformação, um autoconhecimento.

A Jornada continuou. Em 1995, Suzy e Alaor seguiram novos caminhos e Jaime assumiu a supervisão do Instituto Hoffman Brasil.

Bob faleceu em 1997, mas sua abordagem visionária se faz viva em nosso trabalho de amor e respeito pela história que compõe a humanidade de todo e cada indivíduo.

Para ler: “O Desvendar do Amor” Bob Hoffman; “The Hoffman Process and You Can Change Your Life” Tim Laurence.